Seios...
Eduardo Baqueiro
 
 
Teus seios são fonte da juventude, são pólos opostos a mim, atraindo meus lábios cheio de desejos, que me levam de volta à minha infância. Desarma todos os meus sentidos. Me faço navegante de uma nau sem rumo. Sou viajante sem pressa de chegar a qualquer lugar que seja.
 
Seios que cabem na minha mão, que procuram algo que desconhece,na calada da noite que nos embala na solidão de nós dois. Seios que meio tímidos se escondem por dentro de tua camiseta. Mas que desejam, no fundo, se soltar e se entregar totalmente. Desejam sentir o rolar de minha língua molhada e quente, contornando suas curvas suaves.
 
Como um homem que deseja transformar-se num amante, procuro em teus seios a seiva que me satisfaz, encontro o prazer de dividir contigo este momento sublime. Momento de minutos eternos, onde brincar é lei, sem saber como vamos chegar no fim da madrugada, destemidos, na escuridão de meu quarto.
 
Na certeza que não será a ultima vez, apesar dos pesares, de todos contratempos, estaremos sempre conectados; teus seios e meu lábios,  num beijo longo e profundo, sem pudor, sem data marcada, sem coisa nenhuma... Seios que estão sempre  me perseguindo, nos meus sonhos, na mente, na minha cama, na hora do meu banho.
 
No final da noite, exaustos e satisfeitos, esparramados em um canto qualquer da cama, sinto o perfume que exala de teus seios.  Ainda atento as suas curvas, tirando-me a atenção, fazendo-me reviver os momentos deliciosos que passamos, deixando o sono invadir meu ser suavemente, talvez para sonhar com teus seios novamente...