PROMESSAS
Eduardo Baqueiro
 
 
 
Estou  preso  dentro  de  uma poça d'agua.  Sentindo-me solitário   e   abandonado   por   você  que  diz  me  amar!
Estou  à  espera  das  promessas feitas, não cumpridas...
Como um duende envergonhado de sua forma ou de sua cor, você se esconde atrás dos arbustos...
 
Talvez  não  saiba  o quanto é bela do jeito que está, que suas promessas me deixam nervoso, à flor da pele...Não sei  se  é  paixão  ou amor o que sinto por você! Somente saberei no dia que tua coragem surgir...
 
Ela esta escondida dentro do peito,  acanhada, medrosa, Mas  quando  surgir,  poderei  ver o que seus olhos têm a me dizer.  Um  olhar  vale  mais que muitas palavras! Tua alma despir-se-á  diante de mim pelo teu olhar.
 
Então,  talvez  eu  possa  compreender  o  que  se  passa dentro  de  mim...  Estou  preso nesta poça, de onde não sei  se você vai me  tirar! Mas tenho esperanças de que o amor que me tens,  um dia, te ajude a se libertar de teus medos e me dar tua mão!
 
Que  desejas  da  vida,  menina,  se não te esforças? Não pense que tudo pode acontecer ao  acaso... Teus sonhos estão  te  esperando.  Tua  felicidade  é  uma  boneca  de louça. Pode quebrar a qualquer hora! Atrás desta boneca está a realidade que teima em não ver...
 
Não me esqueças aqui, neste quarto vazio, eu posso sair sozinho, com o coração arranhado. Mas as cicatrizes não me  impedirão  de  esquecê-la...  Terei  o  tempo  ao meu lado enquanto ele estará contra você. Portanto, menina, agite-se,  jogue  fora teus medos.  Mostre-me a luz,para que eu possa pertencer-te,  para que eu possa amá-la...