Despudorada
Eduardo Baqueiro
 

 
Hoje quero ser menina depravada
Não quero carinho, nem dengos
Quero ser usada,  e abusada por você.
Puxe meus cabelos e morda meu corpo.
 
Sua menina não quer delicadeza.
Ela quer ser judiada e usada como você desejar
Se quiser me chame de bandida
ordinária, safada e indecente.
 
Hoje você pode extrapolar.
Dizer coisas proibidas ao meu ouvido.
Quero ser tua serva nesta noite de  loucuras
Não vou me importar com nada.
 
Quero sentir prazer,
Quero delirar nos seus braços,
Sou menina bandida no cio
procurando um homem que me satisfaça.
 
Mas não deixe para depois,
Não  me venha com desculpas
Amanhã é outro dia, 
e essa bandida terá ido embora.
 
Deixarei saudades em teu peito,
e minhas marcas no teu corpo.
Brinque comigo como quiser.
Explore meu corpo com vontade.
 
Não queira saber se voltarei
Aproveite este breve momento,
pois ele  será o último de nós dois.
Não ligo para teus sentimentos.
 
Vem, menino, me acolhe em teus braços
Vamos delirar até que o dia amanheça
Até que meu corpo exploda exausto
Até que este tesão acabe por completo.
 
Respire bem fundo para sentir meu perfume.
Amanhã só existirei na sua lembrança.