Vera

 

Eduardo Baqueiro

 

Hei você ai

Sim é você mesmo que quero falar

Tinha perdido a chave de teu coração

Sabia?

É verdade!

Então, num dia destes, revirando as gavetas

Achei a chave que abre teu coração.

Nesse momento veio as lembranças de você

Do tempo que gastamos juntos

Uma saudade bandida me invadiu o peito

Sem dó e sem piedade...

Quanta coisa para se deixar nas ondas do tempo

Pensei comigo que se pudesse faria alguma coisa

para mudar este fim.

Fim?

Mas se não foi o fim, o que será?

Um recomeço, hummm quem sabe?

Fazemos muita coisa sem pensar

Achando que amanhã estará tudo bem

Mas não é bem assim,

Esta saudade dói no peito, sem piedade

A gente perde o fôlego, perde o chão,

Ficamos sem saber o que fazer.

Mas aprendi que a vida são caixinhas de surpresa,

E de tempos em tempos uma caixinha se abre.

Não adianta fazer planos para o futuro

O que está na caixinha que se abre

É a saída para encontrar a felicidade

Não adianta tentar fugir daquilo que a caixinha apresenta.

Não adianta espernear

Quem preencheu a caixinha sabe melhor do que nós

Abriu-se uma caixinha na minha vida e nela estava teu nome

De repente me vejo pensando o tempo todo em você

De repente me vejo apaixonado por você

Como se fosse a primeira vez...

De repente reencontro a chave que abre teu coração

É como somar dois mais dois, o resultado não podia ser outro

Então eu estendo minhas mãos para você e faço um convite:

Vamos fazer um novo começo?

Um começo onde o amor reine soberano

Um recomeço para mim e você que merecemos tudo que é bom

Que tal?

Aceita meu convite?